Chantagem emocional com filhos: por que você NÃO deve adotar essa técnica

5 minutos para ler

Você pode nem ter percebido, mas é bem provável que já tenha utilizado chantagem emocional com seus filhos para entrar em algum acordo ou, simplesmente, exigir que façam o que você deseja. 

Mais comum do que se imagina, esse método não é utilizado conscientemente.

O problema é que quando os pais se dão conta da eficiência (momentânea), acabam repetindo o ato e, muitas vezes, passam a depender da chantagem. 

Infelizmente, essa estratégia vem carregada de muitas consequências e, pior, afeta o relacionamento de confiança e credibilidade na família.

Neste artigo, veja dicas de como educar os filhos sem chantagem emocional e confira os efeitos dessa prática na formação da personalidade das crianças. 

Por que pais usam chantagem emocional

Os pais costumam recorrer à chantagem emocional com os filhos porque ela pode devolver o controle quando alguma situação de desordem se instala. 

Também utilizam esse método para condicionar o comportamento da criança ou, simplesmente, para fazer o filho obedecer sem protestar e ter discussões em casa.

O único problema é que controle não é sinônimo de educação. 

“Ameaçar” os filhos não só demonstra insegurança, como afeta na tomada de decisões lá na frente. 

Esse contexto cria um terreno fértil para que seus filhos sejam excessivamente dependentes ou até mais rebeldes no futuro. 

Leia também: Machismo na criação dos filhos: 7 cuidados para não criar crianças machistas

5 exemplos de chantagem emocional que pais utilizam (e nem percebem)

como educar os filhos sem chantagem emocional

Existem inúmeros exemplos de chantagem emocional que os responsáveis pela criação praticam e nem percebem. As mais sensíveis são aquelas que envolvem o sentimento entre pais e filhos. 

Veja alguns exemplos: 

  • “Se você não melhorar o comportamento na escola, não te amaremos mais.”
  • “Se não tirar boas notas, não receberá presentes do Papai Noel.”
  • “Se não organizar seu quarto, não ganhará brinquedos novos até o fim do ano.”

A chantagem também pode envolver a necessidade dos pais de criarem um filho “perfeito” no quesito estética. 

  • “Se você não emagrecer, não vai arranjar namorado.”
  • “Se não passar a se arrumar melhor, não vai mais ganhar mesada.”

Como você pode perceber, a chantagem emocional com os filhos é uma forma de manipulação que os deixa sem escolhas.

Eles até podem obedecer, mas não vai demorar para que essa estratégia deixe de ser eficaz, afinal os filhos aprendem pelo exemplo e podem usar o mesmo método contra você. 

caminhos educacionaisPowered by Rock Convert

Por que chantagem emocional não funciona com os filhos

Na maioria das vezes, a chantagem emocional não funciona porque usa ameaças que não são verdadeiras. Nenhum pai vai parar de amar o filho só porque ele não tirou notas boas, por exemplo. 

Outro grande problema é que com esse tipo de chantagem, a criança nunca vai aprender a verdadeira razão de manter o seu quarto limpo, ir bem nos estudos ou de manter uma alimentação saudável. 

Em vez disso, o resultado mais provável é que, quando a chantagem parar ou deixar de ter algum efeito, os bons hábitos também desaparecerão, pois a criança não recebeu as informações necessárias para assimilar a importância de mudar o comportamento.

O ressentimento também é outro reflexo que a chantagem emocional pode causar. As crianças geralmente são capazes de identificar quando as pessoas estão tentando manipulá-las muito mais cedo do que pensávamos. 

Por esse motivo, consideram as pessoas que estão tentando chantageá-las uma ameaça e não vão querer estar com eles, pois não as fazem se sentir bem.

Não é essa relação que você quer estabelecer com eles, não é mesmo?

Além disso, quando os pais utilizam a chantagem emocional com os filhos e não executam a ameaça, perdem a credibilidade.

A importância do diálogo entre pais e filhos

Se você chegou até aqui, já percebeu que utilizar culpa, medo ou intimidação não são formas eficientes de criar o seu filho, não é mesmo? 

Além de mostrar que você não tem paciência para respeitar o tempo da criança, também reforça que, no processo de criação, não existe tolerância para aceitar abordagens diferentes de fazer as coisas. 

Lembre-se: as crianças trabalham em uma velocidade diferente e, na maioria dos casos, estão aprendendo.

É justamente por isso que o diálogo entre pais e filhos se faz tão necessário. Filhos não são robôs e precisam que muitas coisas sejam repetidas mais de uma vez para serem assimiladas. 

Aprenda a discutir determinados temas, ofereça opções e ouça o que eles têm a dizer. 

No momento em que os pais param de usar chantagem ao criar nossos filhos, é mais provável que eles acabem escolhendo certas maneiras de se comportar sozinhos.

É através dessa permissão que eles terão coragem para mostrar sua inteligência e a oportunidade de revelar conhecimentos que vão te surpreender. 

O reflexo dessa combinação que envolve mais diálogo e menos chantagem? Uma criação autônoma, com mais autoestima e com melhor percepção do esforço para suas vidas.

Gostou desse conteúdo? Leia também: Como ensinar empatia para seus filhos: 5 passos para ter um filho mais empático

Posts relacionados

Deixe um comentário